quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Das reais verdades.


"Manter junto a marca do passado e o projeto futuro, se permitir fazer sem esquecer aquilo que se pretendia fazer, tornar-se sem deixar de ser, ser sem deixar de tornar-se." Homero.

Se existe alguma verdade neste mundo, a prova se faria pela inconstância. Se virmos a verdade como imaculada sobre certo prisma, mas a rejeitamos ou simplesmente encaramos as mudanças periféricas de tal verdade e neste encarar se cede ao humano e certo medo, dando as costas para ele em vez de olharmos de frente como meta de conquista, se assim, nós mesmos rechaçamos esta verdade.
O absoluto é utópico, porém uma verdade não pode ser dependente de outros fatores para ser forte por si só. Uma verdade, independentemente de seus motivos ou natureza, vinga o espaço e o tempo, pois estes são conceitos humanos e uma verdade, mesmo quando humanamente percebida, haverá de se manter livre certas intermitências não caracterizáveis, sendo então concreta e bastando isso apenas (para ela e apenas nela).
Portanto mudanças de bom grado são, além de inevitáveis, também bem vindas. São elas que irão legitimar as verdades.
Falando ao homem eu digo; seja aberto para a vida como um todo. Ser aberto não é engrandecer o ego individual, mas sim buscar a liberdade. O sábio ser livre não é auto-suficiente ou solitário, pois sabedoria necessita de um além-do-ser para que se funcionalize, bem como o homem que tem conhecimento precisa dividir este conhecimento para que ele se valorize. O ser livre é nobre e justo para si de igual forma que é fiel e confiável para os outros, mantendo assim um equilíbrio do que realmente é com o que representa, não se tratando esta representação de algo forçada ou interessada, mas sim a forma em que as suas ligações a uma ou mais pessoas serão desenvolvida, honestamente.
As intemperanças tais como o desejo, a avareza, a traição, a desonra e outras, irão surgir, mas um homem de verdades busca no segundo presente a cura para o segundo seguinte. O homem de verdades é firme como uma montanha e complexo como o que a constitui, por isso não existem desculpas válidas o suficiente para o que não consegue controlar a si mesmo. Acidentes podem acontecer a uma montanha, mas ela continuará firme em seu máximo possível, pois uma montanha é honrada e carrega a sabedoria de sua existência.
Teu maior aliado em certas vezes será a memória, tanto a passada com suas aprendizagens, como a futura com os seus objetivos de caminho.
Nisso tudo lute pelas verdades, não agindo por elas, mas as mimetizando em ti, mantendo postura firme sempre que desafiado. Se elas forem mesmo verdades certo que manterás as suas bases rígidas naturalmente.

2 comentários:

Thaís V. Manfrini disse...

Refrescante. Sai dos montes de Tiamat.

Os Sujos disse...

novamente muito bom mesmo