domingo, 12 de julho de 2009

|Fly| por "M.J." por Ismael


O maldito demente normalmente só terá sua rebeldia e loquaz poesia reconhecida e honrada pós o fim de sua vida. Em causa mortis irão anotar "marginal, vagabundo", e baterão palmas perante sua obra.

3 comentários:

fábio bocanegra. disse...

Ainda creio que um dia, diante de algum fato inesperado e desconhecido, ou talvez apenas pelo desencantar de todas as mentes, como uma enorme histeria coletiva de LIBERDADE,

todos acordarão. e, percebendo a multipolaridade da Verdade, a quintessência intuitiva, a realidade aparente, a razão/loucura em prol do amor, a Liberdade até onde se possa,

saberão respeitar a todos. e ver estes marginais como poetas videntes e então estes terão o que merecem.


mas enquanto este dia não vem, cada vez mais pessoas vem acordando, e mesmo que esse dia nunca chegue, frear a busca humana pela sua essência - seja ela qual for - será irrefreável, e quem quiser pará-la terá de destruir a todos nós.

fábio bocanegra. disse...

com pleonasmo acidental ou não.

e tenho dito.


aliás, isso se parece deveras com os dizeres de Che, donde os poderosos poderiam matar algumas flores, mas jamais deteriam a primavera. Ou algo do gênero.

Pois é. pois é. :)

fábio bocanegra. disse...

aliás, nem pleonasmo foi. apenas troque o irrefreável por impossível.

mas nada é impossível, portanto logo me contradigo - como de costume - e vejo outra saída.

uma possível vidência? creio que sim.

mas não cegamente iludido por esta, continuarei minh'arte, até o dia em que o mundo não necessite mais da arte para sua própria libertação.

parece utopia. mas e quem disse que utopias não existem?